A importância da vacinação: qual a relação com o bem-estar?

Whatsapp Compartilhar

As vacinas representam um grande avanço da ciência aplicada na medicina, pois protegem contra doenças capazes de causar danos irreparáveis à saúde. Diante disso, a importância da vacinação é um assunto relevante e que está sempre em pauta no Brasil e no mundo.  

Nesse sentido, as vacinas atuam para fortalecer o sistema imunológico do indivíduo, evitando que doenças causadas por vírus e bactérias se desenvolvam – trata-se da melhor forma para evitar complicações e contribuir para que patologias graves sejam evitadas. 

A vacinação contra a gripe, por exemplo, reduziu de 32% a 45% das internações por pneumonia, além de 39% a 75% da mortalidade global, o que demonstra a eficiência da imunização.

Continue a leitura deste artigo e entenda a importância da vacinação para a sua saúde e de toda sua família! Vamos lá?

O que são as vacinas e como são desenvolvidas?

O sistema imunológico do corpo humano conta com milhares de anticorpos para combater agentes patológicos e infecciosos, como vírus e bactérias – esses microrganismos podem desencadear doenças graves e levar, inclusive, ao óbito.

No entanto, quando o corpo fica exposto a um agente patológico pela primeira vez, ou em caso de mutações, não há tempo suficiente para desenvolver os anticorpos específicos e combater os agentes infecciosos, com isso, o indivíduo começa a manifestar sintomas. 

Nesse contexto, surgem as vacinas, que são partes inativas ou enfraquecidas dos vírus ou bactérias e, quando injetadas no organismo, estimulam a produção de anticorpos específicos, garantindo a proteção contra determinada doença.

A importância da vacinação.
Vacinas são partes inativas ou enfraquecidas dos vírus ou bactérias. Foto: Getty Images.

Por exemplo, a vacina contra gripe contém fragmentos do vírus da gripe não causando problemas à saúde. O objetivo é apenas estimular o sistema imunológico a produzir os anticorpos para combater a gripe. 

É um procedimento totalmente seguro e eficiente para proteger pessoas de todas as idades de muitas doenças infecciosas. Ou seja, a vacina é uma forma de prevenção desenvolvida com ciência, tecnologia, diversas etapas de testes e são aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Qual a importância da vacinação para as pessoas?

A imunização é imprescindível para a saúde pública, pois previne a disseminação de enfermidades graves, que causam epidemias e levam a sérias complicações. 

É uma medida que contribui para fortalecer a resposta imune individual e coletiva, impedindo o surto de doenças.

A seguir, veja em detalhes a importância da vacinação para a saúde e seus benefícios.

Reforça o sistema imunológico

O objetivo das vacinas é estimular a produção de anticorpos para combater determinados agentes infecciosos. Dessa forma, o organismo desenvolve a resistência necessária para combater doenças e preservar a saúde do indivíduo. 

Portanto, a vacinação quando realizada de maneira correta, ou seja, no prazo adequado para cada faixa etária, é capaz de reforçar o sistema imunológico ao longo da vida. O que garante maior qualidade de vida e bem-estar tanto para a pessoa quanto para a sociedade.

Evita epidemias

Os benefícios da vacinação vão além do individual, mas também impedem que uma pessoa contaminada transmita o vírus ou bactérias para outras. 

Sendo assim, quanto maior o número de pessoas vacinadas, maior é a possibilidade de controlar a doença e evitar epidemias.  

Exemplo disso, são os diversos casos de sucesso que a vacinação alcançou no combate de doenças potencialmente fatais, como a meningite, tétano e sarampo.

Dessa forma, a importância da vacinação está em dificultar problemas de saúde pública que podem gerar situações catastróficas, tais como surtos ou epidemias.

A importância da vacinação.
De acordo com estudos, a vacinação reduziu em 45% as mortes por doenças infecciosas. Foto: Getty Images.

Reduz a taxa de mortalidade

A vacinação contribui para a imunização de diversas doenças que causam a mortalidade, principalmente, a infantil. 

De acordo com o estudo publicado no Jornal The Lancet, a vacinação reduziu em 45% as mortes causadas por doenças infecciosas em países de baixa e média renda.

A estimativa é que esse número cresça até 2030, e que aproximadamente 69 milhões de mortes serão evitadas devido à vacinação. 

Nesse sentido, as vacinas têm uma responsabilidade essencial para a saúde pública, pois evitam que as pessoas contraiam enfermidades graves e fatais. 

Quando uma sociedade segue o calendário de vacinação de forma rigorosa, as doenças mais infecciosas são erradicadas. 

O resultado é a queda da taxa de mortalidade que, embora não pareça, ainda hoje é alta em muitas regiões.

Como funciona o calendário anual de vacinação?

Em 1973, o Ministério da Saúde criou o Programa Nacional de Imunização (PNI), que surgiu como uma importante iniciativa para combater a proliferação de doenças graves. Sendo assim, a principal atividade era a imunização em massa, com o objetivo de erradicar os surtos e as epidemias. 

Nesse contexto, diversas campanhas de vacinação foram desenvolvidas, dando origem ao calendário nacional de vacinação. Em síntese, o calendário relaciona todas as imunizações e doses necessárias ao longo da vida do indivíduo para garantir a prevenção completa. 

Em outras palavras, é uma forma eficiente para auxiliar e direcionar a população a procurar as vacinas adequadas no tempo correto; estas podem ser oferecidas tanto pela rede pública de saúde quanto por clínicas particulares.

Veja como é o calendário anual de vacinação.

A infância é o período da vida em que mais nos vacinamos. Foto: Getty Images. 

Vacinas para crianças e adolescentes

  • Nascimento: vacina BCG e hepatite B;
  • 2 meses: vacina pentavalente, vacina inativada Poliomielite, vacina Pneumocócica e a vacina rotavírus;
  • 3 meses: vacinas meningocócicas;
  • 4 meses: iguais a de dois meses; 
  • 5 meses: vacinas meningocócicas;
  • 6 meses: vacina pentavalente e VIP;
  • 9 meses: vacina para febre amarela;
  • 1 ano: tríplice viral, vacina pneumocócica e vacinas meningocócicas;
  • 15 meses: vacina oral poliomielite (no SUS ou Penta nos serviços privados), hepatite A, DTP e SCRV tetra viral;
  • 4 anos: tríplice bacteriana, vacina oral poliomielite, vacina varicela e vacina febre amarela;
  • 9 anos para meninas e até 15 para meninos: HPV quadrivalente;
  • 10 aos 19 anos: vacina Meningocócica ACWY.
Quando adultos ainda precisamos ficar atentos à nossa carteira de vacinação. Foto: Getty Images.

Vacinas para adultos (dependendo do passado vacinal)

  • Hepatite B em 3 doses;  
  • Febre amarela em dose única;
  • Tríplice viral contra sarampo, caxumba e rubéola;
  • Dupla adulto contra difteria e tétano ou tríplice acelular do adulto.
Mulheres grávidas também precisam manter a vacinação em dia. Foto: Getty Images.

Vacinas para gestantes

  • Hepatite B em 3 doses, se não vacinada anteriormente;
  • Dupla adulto contra difteria e tétano (dependendo do passado vacinal);
  • dTpa – tríplice bacteriana acelular do tipo adulto, contra tétano, coqueluche e difteria, uma dose por gestação a partir da vigésima semana de gravidez;
  • Vacina da gripe na sazonalidade.
Além das campanhas, idosos têm algumas vacinas para serem tomadas. Foto: Getty Images.

Vacinas para idosos (dependendo do passado vacinal)

  • Hepatite B em 3 doses; 
  • Febre amarela em dose única;
  • Dupla adulto contra difteria e tétano ou tríplice;
  • Vacinas pneumocócicas 13 e 23.

O calendário de vacinação é nacional e desenvolvido para garantir a imunização correta durante todas as idades da vida de uma pessoa. Entretanto, é importante consultar um médico especialista, pois existem variações em cada região que podem influenciar no calendário.  

Além disso, a Sociedade Brasileira de Imunizações faz recomendações adicionais.

Por que é importante realizar a imunização particular?

As vacinas disponíveis no SUS são importantes, no entanto, ainda estão em desvantagem em comparação com a rede particular, tanto na qualidade quanto na quantidade. Em outras palavras, a imunização em uma clínica particular oferece uma proteção completa, considerando as várias mutações dos agentes infecciosos. 

Diante disso, as diferenças entre vacinas particulares e públicas são evidentes em diversos fatores, por exemplo:

  • Vacina para gripe (Influenza): na rede pública a vacina protege contra três sorotipos, porém na imunização particular a proteção é contra quatro sorotipos;
  • Vacina pneumocócica: na rede particular, a imunização é contra 13 sorotipos, enquanto na rede pública a vacina protege contra 10;
  • Vacina meningocócica: no SUS, a vacina protege apenas contra o tipo C, na rede particular, a imunização contempla os tipos A, C,Y, W e B;
  • Hepatite A: o imunizante só é encontrado na rede particular, pois o SUS não disponibiliza a vacina;
  • Catapora: o SUS também não disponibiliza a vacina, apenas a rede particular.

Nesse sentido, é possível notar que a imunização particular possui qualidade superior ao combater mais mutações de um vírus. Dessa forma, o sistema imunológico vai permanecer resistente para combater maior variedade de doenças.

Para ter uma imunização completa e cuidar da saúde, você pode seguir o calendário de vacinação da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), que compreende maior quantidade de imunizações para ter uma proteção eficiente e completa em todas as idades.

Garantir a imunização é indispensável para a saúde

A vacinação é indispensável para ter uma vida saudável e livre de muitas doenças infecciosas. É uma prevenção essencial em todas as fases da vida, fortalecendo a imunidade de crianças, adultos, gestantes e idosos. 

Por ser algo de extrema relevância para a sociedade, anualmente no dia 9 de junho é celebrado o Dia da Imunização, determinado pelo Ministério da Saúde. 

A data marca o movimento para a conscientização da população quanto à importância de manter as vacinas em dia

É uma maneira intuitiva para tratar de um assunto sério, que é a prevenção da população brasileira contra patologias com potencial devastador. 

Diante disso, garantir a imunização, além das vacinas obrigatórias, contribui para o bem comum, evitando a disseminação de agentes causadores de doenças. Isso significa optar pela prevenção. 

Como você percebeu neste artigo, a importância da vacinação é fundamental para qualquer pessoa. Portanto, a melhor alternativa para preservar a saúde e evitar complicações é manter as vacinas em dia e procurar clínicas confiáveis para ter uma imunização de qualidade. 

Conte com o Laboratório Padrão para fazer a sua vacina com segurança em nossas unidades ou no conforto da sua casa, chamando pelo nosso WhatsApp: (62) 3221-9000 ou na nossa loja virtual.

Aqui, a sua saúde está em primeiro lugar! 

4.3/5 - (9 votes)

Acesse aqui